Isto é uma regra


Deveríamos celebrar o importantíssimo avanço da introdução da obrigatoriedade de uso dos mecanismos de retenção de crianças nos carros; mas só temos a lamentar a irracionalidade tecnocrática e esse espírito rococó, sempre pronto a torcer os fatos em nome de privilégios e excessões.

Queríamos a segurança das crianças, ganhamos um labirinto que inviabiliza a universalidade de qualquer regra.

Clique na imagem, amplie, arrepie-se


Infográfico Simon Ducroquet/Folhapress 08/09/2010
Infográfico publicado pela Folha de São Paulo, Cotidiano, em 08/09/2010 Simon Ducroquet/Folhapress

© Eduardo Biavati e biavati.wordpress.com, 2008/2011.

Uso não autorizado e/ou publicação desse material, em qualquer meio, sem permissão expressa e escrita do autor do blog e/ou proprietário é estritamente proibida. Trechos e links podem ser utilizados, garantidos o crédito integral e claro a Eduardo Biavati e biavati.wordpress.com e o direcionamento apropriado e específico ao conteúdo original.

Licença Creative Commons
Esse trabalho está licenciado sob Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported License.

Publicado por

biavati

Sociólogo, escritor, palestrante e consultor em segurança no trânsito, promoção de saúde e juventude.

2 comentários em “Isto é uma regra”

  1. Eduardo, me tira uma dúvida, passei por uma situação numa blitz educativa e não sei se me sai mto bem.
    Pois bem, para os utilitários, como utilizar a cadeirinha? Temos mtas famílias que tem o utilitário como único meio de transporte. Me refiro, as camionetes, as saveiros e etc….E ai, como orientar o uso da cadeirinha nestes casos? Outra coisa, me deparei com outra situação, pode uma criança de 3 anos utilizar o acento de elevação? Os pais preferiram comprar a mesma, para evitar gastos. E ai o que falo? Como oriento? Me ajuda? Abraços fraternos.

    Curtir

  2. Quantos problemas!

    Roberta, uma criança de 3 anos não poderia utilizar o assento de elevação, mas o que importa é a altura e peso dessa criança. Na média, uma criança de 3 anos de idade não estará protegida por esse tipo de mecanismo. A “economia” dos pais não preserva a MÁXIMA SEGURANÇA dos filhos – é isso que você deveria dizer como orientação, porque na prática será impossível fiscalizar exatamente a idade e o tipo de assento de cada criança. No carro, o fiscal da vida das crianças será sempre o adulto presente – não importa se é o pai, a mãe, o tio ou a avó. Todos deveriam se perguntar sempre: qual é a máxima segurança que eu posso proporcionar a essa criança? Esse é o raciocínio para os utilitários que não possuem banco traseiro. Nesse caso, se não me engano, a regra permitiria o transporte de 1 criança no assento adequado no banco dianteiro. É uma situação de máxima segurança? Não, e disso o adulto responsável deve ter plena consciência.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s