O tempo de uma década


11 de maio de 2020

Seremos menos aguerridos, haverá menos crianças nas ruas, talvez menos ruas do que veículos, mais mulheres do que homens, muitos idosos a cuidar.

Os jovens serão ainda mais preciosos

Quando olharmos para trás, diremos: salvamos cada um que podíamos salvar? Lamentaremos os passos perdidos em mais uma década? Teremos transformado o amarelo ofuscante em um verde de esperança?

© Eduardo Biavati e biavati.wordpress.com, 2008/2015.

Uso não autorizado e/ou publicação desse material, em qualquer meio, sem permissão expressa e escrita do autor do blog e/ou proprietário é estritamente proibida. Trechos e links podem ser utilizados, garantidos o crédito integral e claro a Eduardo Biavati e biavati.wordpress.com e o direcionamento apropriado e específico ao conteúdo original.

Licença Creative Commons
Esse trabalho está licenciado sob Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported License.

Publicado por

biavati

Sociólogo, escritor, palestrante e consultor em segurança no trânsito, promoção de saúde e juventude.

13 comentários em “O tempo de uma década”

  1. Biavati,
    Tenho certeza que contribuístes muito para Conscientização de muito dos nossos jovens e a Capacitação de vários profissionais que acreditam na Educação como ferramenta para a mudança dessa triste realidade Brasileira.
    Parabéns!
    Abs
    Alexei Messias

    Curtir

  2. Olá!!!!! Também gostei da nova roupagem….
    Plantar hoje o que queremos semear amanhã. Óbvio e sempre verdadeiro esse clichê. Traz o tom de esperança, de que é possível sim priorizar o ser humano e dar mais valor à VIDA. É uma década de ação pela vida. E você, Eduardo, não esperou ela (a década) ser anunciada. Com certeza, já estamos colhendo frutos do seu trabalho. Grande abraço.

    Curtir

  3. Estimado Eduardo,

    Ótima síntese a sua. O lançamento da década prevê inúmeros projetos, ações, decisões. Fico tentado a encarar as coisas como processos de valorização da vida. Mais do que cumprir regras e enxergar sinalização, a nossa dificuldade é enxergar o outro. A circulação diária é uma infinidade de pequenas ações. Até quando continuaremos a depender do poder público para regular, fiscalizar e intermediar todas elas e preservar a vida, vez que atrofiamos nosso senso de convivência coletiva.
    Vamos lá.

    Marcos Evêncio.

    Curtir

  4. Olá Dr. Biavati !!

    A nossa jornada acadêmica ficou muito rica com sua presença, tenho certeza que ficou em cada um de nós um pouquinho da consciência Biavati, ou seja, a necessidade de termos que mudar o nosso comportamento no trânsito, respeitando o outro e garantindo a vida, e vida com qualidade!!!
    Abraço de Imperatriz!!

    Curtir

  5. Olá, Vanda!

    Muito obrigado pelo elogio e pela visita ao blog. Seja bemvinda!
    Gostei muito do encontro com as turmas na FEST em Imperatriz e tenho certeza de que conseguimos mobilizar, ao menos, a atenção para a gravidade do problema e para a urgência de ação. Espero retornar em breve: há várias idéias para colocar em prática na cidade e na região.

    Curtir

  6. Caro, Marcos!

    Como já tinha muita gente falando da década que corre eu preferi provocar o leitor a pensar na década que terá passado. 10 anos é um baita tempo – ficaremos no mesmo lugar? Bom, eu certamente não estarei no mesmo lugar a partir do dia 31 de maio: rumo a Porto Alegre. Mas não esqueci de modo algum dos planos no Norte. De Norte a Sul, há mais elos do que se pode imaginar. Nos falamos assim que a poeira toda assentar (e eu conseguir esvaziar e organizar caixas e mais caixas e meus quadros na parede!). Abraço

    Curtir

  7. Biavati,

    É empolgante ouvi-lo falar sobre o jovem. Isso nos inspira cada vez mais e nos motiva a acreditar na solução dos nossos problemas “o jovem”. Adorei sua palestra aqui em Aracaju, estamos nos mobilizando para a melhora do nosso trânsito. Sucesso!!!!

    Curtir

  8. Boa noite!

    Gostei muito da palestra proferida pela manhã no auditório da SMTT/AJU, principalmente quando falou sobre JOVENS, FOCAR, TRANSPARÊNCIA, AVALIAR…

    No meu ponto de vista fazer um trabalho na educação Infantil – EX.: projeto BRINCANDO E APRENDENDO, é de grande valia, é moroso, mas obteremos êxito ao longo do tempo, sabemos que a escola/educação sistemática e para tanto, precisam ter mais compromisso e que a sociedade precisa está integrada, para isso, tem que ter ciência das coisas, da nossa realidade/momento atual, ter embasamento, respaldo, trabalhar a Educação Infantil (vai incutindo aos poucos, é válido para o futuro).

    Temos que ser perseverantes; vivemos na época do imediatismo, ou seja, resultados imediatos, mas como diz o ditado vulgar: Temos que saber onde vamos plantar, como você falou: o que queremos, mas para alcançarmos nosso objetivos, temos que ter visão de águia. Resultados imediatos, não perduram, se vão ao longo do tempo, temos como Ex.: Um filho antes de nascer passa nove meses no ventre…, Crescer? Quantos anos passamos estudando? Sabemos que o aprendizado só se acaba com a morte. Sabemos porque existiu um alguém que nos ensinou… Nós tivemos o privilégio de ter uma educação digna e os demais? O adulto passa para o filho o que aprendeu… As crianças ainda são a esperança para o mundo em que vivemos, mas o ensino tem que ser avaliado/cobrado/fiscalizado.

    Quanto aos jovens, temos que orientá-los, mas antes precisamos saber onde cada escola está inserida, para que possamos fazer um trabalho de acordo com a realidade. Nossos filhos temos que orientá-los e educá-los da mesma maneira? Somos diferentes, escolas e realidades diferentes. Focar, perseverar, jamais desistir dos nossos objetivos. Muitos estão jogando a responsabilidade na sociedade. Quem bagunçou/avacalhou o ensino público?!,

    Vamos perseverar em prol de um trânsito de PAZ….
    Um abraço,
    Nair

    Curtir

  9. Olá, Nair,

    Bemvinda ao blog!

    A tarefa é gigantesca, em síntese!!! O problema é que temos que tomar as rédeas do bonde EM MOVIMENTO: lidar com o aprendizado da mobilidade e dos riscos desde o princípio da tempo escolar e em casa E lidar com a urgência da ação com os adolescentes e jovens E disseminar e reforçar condutas de segurança entre os adultos e os idosos cada vez mais numerosos. Os recursos são muito limitados para tudo ao mesmo tempo, porém, e será sempre assim: teremos que priorizar, focar a ação, concentrar o trabalho. O foco para o qual deveríamos todos convergir é claríssimo: a juventude. Falei muito dos jovens porque há uma urgência absoluta de protege-los hoje, mas é claro que uma criança será um jovem um dia (mas isso não é uma certeza) – cuidamos então da criança? Qual será a escolha da política pública?

    Mande meu abraço para todos na SMTT!

    Curtir

  10. Olá Biavati,
    É empolgante ouvi falar sobre o jovem, significa pensar no amanhã, é preparar o futuro. Vamos acreditar!!! “Jovem”, é a solução. Adorei sua palestra aqui em Aracaju. Estamos nos unindo por um trânsito melhor . Sucesso!!!!

    Curtir

  11. Caro Anderson!

    Muito obrigado pelo elogio! Se as idéias mobilizaram as emoções, se tiveram força para engajar a todos, então foi mesmo atingido o objetivo. Se for possível, estarei junto com vocês colaborando no que estiver ao meu alcance. Samarone está “incumbido” de encontrar um caminho – já apresentei uma proposta. Vamos aguardar. Abraço, Biavati

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s