Baladeiros paulistanos

Alo! Alo! galera da segurança no trânsito

Nova pesquisa do CEBRID/UNIFESP (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas) afirma que mais da metade dos baladeiros paulistanos que vão a casas noturnas em sampa tem por objetivo ficar bêbado.

OFICINAS.OPAS.ANDI.2013.033

OFICINAS.OPAS.ANDI.2013.035

Tanta gente bêbada não teria muito critério em escolher um motorista sóbrio, confere?

OFICINAS.OPAS.ANDI.2013.034

Sim, confere, tanto entre os marmanjos como entre as marmanjas da hora: 6 entre 10 baladeiros afirma que já foi carona de condutor embriagado na saída das baladas.

OFICINAS.OPAS.ANDI.2013.036

Deveríamos ficar surpresos?

Continuar lendo Baladeiros paulistanos

Anúncios

Transporte público e saúde: nexos sistêmicos

Alo! Alo! Gestores públicos do Brasil!

Já que é sempre mais fácil ler APENAS o que interessa e descartar o que não convém, vou repetir, antes da leitura, o que o entrevistado diz 3 vezes:
Quanto mais espaço dedicado ao transporte público eficiente e rápido, ESPAÇO PARA CICLISTAS E PEDESTRES, menos carros, menos acidentes, menos poluição do ar, mais atividade física durante a vida diária e consequentemente mais saúde“.

Transporte público é bom mas não basta se a cidade inteira humilha os pedestres e escanteia seus ciclistas. Continuar lendo Transporte público e saúde: nexos sistêmicos

O pé e suas frutas

maçãs podres

O Sistema Nacional de Trânsito é um sistema, certo? É natural que tudo nele funcione de modo idêntico e previsível, como se um sistema fosse: a gestão municipal do trânsito, nos aspectos que lhe compete, é moldada pela gestão estadual de trânsito, que é moldada, nos aspectos que lhe compete, pela gestão federal do trânsito. Frutas nunca caem longe do pé, diz o ditado.

A racionalidade sistêmica se revela, por exemplo, na dependência, cada vez mais profunda, do monitoramento eletrônico na fiscalização do trânsito brasileiro. Decorrem desse fato dois fenômenos: (a) um perfil praticamente idêntico das principais infrações registradas nas diversas capitais e cidades do país e (b) o forte crescimento do volume de autuações, e, por conseguinte, da arrecadação de multas de trânsito, ao longo da primeira década do Século XXI.

Em 2012, assim como em anos anteriores, tanto na cidade do Rio de Janeiro como na de São Paulo, mais de 50% das infrações foram Continuar lendo O pé e suas frutas

Eu mudo, o trânsito muda?

Enquanto assistia à nova campanha do Ministério das Cidades, lembrei de uma pesquisa publicada em 2009 pelo jornal Folha de São Paulo que trata do entendimento que os brasileiros têm do que é corrupção e do que é ético e moralmente correto.

A campanha se chama “parada” e convida-nos a desarmar o automatismo de nossas vidas no trânsito para, então, pensarmos sobre como somos incoerentes eticamente – sempre prontos a apontar o “erro” dos Continuar lendo Eu mudo, o trânsito muda?

Isto é uma regra

Deveríamos celebrar o importantíssimo avanço da introdução da obrigatoriedade de uso dos mecanismos de retenção de crianças nos carros; mas só temos a lamentar a irracionalidade tecnocrática e esse espírito rococó, sempre pronto a torcer os fatos em nome de privilégios e excessões.

Queríamos a segurança das crianças, ganhamos um labirinto que inviabiliza a universalidade de qualquer regra.

Clique na imagem, amplie, arrepie-se


Infográfico Simon Ducroquet/Folhapress 08/09/2010
Infográfico publicado pela Folha de São Paulo, Cotidiano, em 08/09/2010 Simon Ducroquet/Folhapress

© Eduardo Biavati e biavati.wordpress.com, 2008/2011.

Uso não autorizado e/ou publicação desse material, em qualquer meio, sem permissão expressa e escrita do autor do blog e/ou proprietário é estritamente proibida. Trechos e links podem ser utilizados, garantidos o crédito integral e claro a Eduardo Biavati e biavati.wordpress.com e o direcionamento apropriado e específico ao conteúdo original.

Licença Creative Commons
Esse trabalho está licenciado sob Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported License.

Os adolescentes que merecemos, por Contardo Calligaris

Frequentemente os artigos semanais de Contardo Calligaris na Folha de São Paulo falam da adolescência. Não é fácil compreender esse período promissor, muitas vezes imerso na angústia da vida. E tudo pode ficar ainda mais complexo e conflituoso quando os pais projetam suas montanhas de desejos e imaginam capturar o movimento de expansão da garotada.

Há algumas semanas, Calligaris criticava a antiga idéia de que há no jovem a “semente” de uma vocação, de uma futura profissão – muito mais uma vocação desejada pelos pais do que pelo jovem. Calligaris fala, então, para o jovem leitor:

“Ser jovem não é ser semente; é ser, antes de mais nada, uma narrativa aberta. Imagine que você é o começo de uma história: havia uma moça Continuar lendo Os adolescentes que merecemos, por Contardo Calligaris